Queremos Respeito?

Aprendi a origem da palavra Respeito. Fiquei maravilhada! Feito criança diante de um presente encantador.

Primeiro escutei sobre isso de Dominic Barter. E fui ávida buscar um pouco mais.

“Respeito” veio do latim “Respectus”, particípio passado de “Respicere”, que significa “olhar outra vez”. De Re(de novo)+specere(olhar).

respeito-2

A ideia é que algo/alguém é digno de um segundo olhar. Vale lembrar que “olhar” é ação mais profunda que “ver”.  É sentir além da superfície percebida.

O primeiro “olhar” que voltamos para o outro é quase sempre inconsciente. Utilizamos o outro, neste ato automático, como tela para nossas projeções. Se o percebemos como uma tela onde projetamos aquilo que valorizamos e preferimos, nos identificamos com o outro.

O sentimos como um afim e sentimos atração.

Se, pelo contrário, identificamos na “tela-outro” aquilo que em nós consideramos negativo – tanto que escondemos de nós mesmos, rechaçando, negando – e/ou percebemos aquilo que já gostaríamos de ter superado – e que achamos que já superamos -… enfim… quando identificamos na “tela” aquilo que nos causa vergonha, culpa, medo e que não vemos que não vemos em nós (é assim mesmo), tendemos a sentir aversão pelo outro.

RESPEITO É no primeiro olhar também, que costumamos atentar para as diferenças entre nós. Somos bem competentes nisto. A partir deste primeiro olhar costumamos classificar se a pessoa é “alguém como nós” ou se faz parte dos “outros”.

Quanto mais diferenças “rastreadas” maior a distância se faz. Mais construímos incompatibilidades.

O segundo e profundo olhar necessita ser muito exercitado. E com consciência. Isto se realmente queremos construir um mundo mais respeitoso. É este re-olhar que vai garimpar no outro nossa humanidade em comum. É um olhar que busca identificar na outra pessoa, suas emoções, sentimentos e necessidades. Como as nossas. É um olhar com qualidades que originam nosso sentimento de identificação e semelhança e nos move em atitudes de consideração e reverência ante todo e qualquer legítimo outro.

Queremos ser felizes conosco e com os outros?

Então vamos exercitar olhar e olhar e olhar… novamente…e, de novo…e sempre!

Lena Cristina Barros Mouzinho

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s